Eventos

Voltar

Joana Seara

Joana Seara iniciou a aprendizagem musical na Academia de Música de Santa Cecília e no Conservatório Nacional de Lisboa. Graças a uma generosa bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian, conseguiu prosseguir os estudos na afamada Guildhall School of Music and Drama, em Londres, tendo mais tarde sido bolseira de várias instituições, tais como a Wingate Foundation, o E. M. Behrens Charitable Trust e a Worshipful Company of Barbers, que a ajudaram a concluir o seu percurso académico naquela escola. Foi, também, distinguida com um Sybil Tutton Award e de um Worshipful Company of Glass Sellers Music Prize.

Em ópera, Joana tem interpretado papéis de Monteverdi a Puccini, de Verdi a Francisco António de Almeida. Destacam-se Margery com a Akademie für Alte Musik Berlin, Damigella com a English National Opera, Gretel e Despina para Opera Holland Park, e Dorinda para a Independent Opera at Sadler’s Wells. Outros papéis incluem Zerlina, nos Países Baixos, Inglaterra e Irlanda, e Galatea, em França. No Teatro Nacional de São Carlos, foi Susanna, Tebaldo/Voce dal Cielo, Flora, Ines e Frasquita.

Sob a direção de maestros como Ton Koopman, Lawrence Foster, Simone Young, Donato Renzetti, Mathew Halls, Enrico Onofri, Christoph König, Nicholas Kraemer, Carlos Mena, Jorge Matta, Pedro Castro, Miguel Jalôto, Massimo Mazzeo e Marcos Magalhães, Joana Seara tem cantado nos grandes auditórios da Fundação Gulbenkian, do Centro Cultural de Belém, da Casa da Música e no Teatro Nacional de São Carlos, bem como em palcos internacionais de países como a Bulgária, Espanha, França, Reino Unido, Índia e Brasil.

Para lá das grandes óperas e oratórias de repertório, tem-se dedicado a obras antigas em primeira audição moderna, nomeadamente obras portuguesas do século XVIII, trabalhando com vários grupos em Portugal na sua descoberta. Trabalha regularmente nas produções dos Músicos do Tejo (dir. Marcos Magalhães) e, com este grupo, lançou vários projetos discográficos de música antiga portuguesa, tais como «Il Trionfo d’Amore», «La Spinalba» e «As Árias de Luísa Todi». Outra discografia inclui a gravação dos CD «18th-Century Portuguese Love Songs» com o agrupamento L’Avventura London, sob direção de Zak Ozmo, e «L’Angelica», na ópera de João Sousa Carvalho com os Concerto Campestre de Pedro Castro.

Patrocinadores / Sponsors

Parceiros / Partnerships

X